Crítica: ‘Venom’

Filme protagonizado pelo anti-herói da Marvel peca na (falta de) violência, mas entrega boas risadas

Venom (Foto: Divulgação/Sony Pictures)
Venom (Foto: Divulgação/Sony Pictures)

Baseado nos quadrinhos de um dos anti-heróis preferidos da Marvel, Venom ganhou um longa-metragem para chamar de seu. O personagem já havia aparecido no cinema em “Homem-Aranha 3” (“Spiderman 3”), de 2007, vivido então por Topher Grace (“That ’70s Show”), e, apesar de o filme não ter sido dos melhores, o simbionte deixou os fãs com um gostinho de quero mais.

Mais de uma década depois, os “marvelmaníacos” agora poderão assistir todo humor brutal de “Venom” (2018). Quem vive Eddie Brock, o jornalista “possuído” pelo alienígena preto é a estrela Tom Hardy (“O Regresso”, “Mad Max: Estrada da Fúria”, “Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge”), que também faz – com muita ajuda da tecnologia – a poderosa voz do simbionte, e acaba conversando consigo mesmo em cena.

Leia também:
“Venom” chega aos cinemas brasileiros no início de outubro

Brock é um bem-sucedido repórter de São Francisco, que está prestes a se casar com a advogada Anne Weying (Michelle Williams, de “Manchester À Beira-Mar”, “Sete Dias com Marilyn”, “Namorados para Sempre”). Pautado para entrevistar o poderoso cientista Carlton Drake (Riz Ahmed, de “The Night Of”, “Rogue One: Uma História Star Wars”, “O Abutre”), o jornalista não abre mão de investigar os crimes cometidos pelo polêmico bilionário e sua empresa, mesmo isso faça sua vida (e de todos a seu redor) mudar para sempre.

Para um filme de super-heróis, “Venom” não é nada demais, principalmente se comparado a títulos recentes como “Vingadores: Guerra Infinita”, “Pantera Negra”, “Logan” e “Deadpool”. Produzido pela Sony, o anti-herói acabou entrando nos moldes “Marvel Comics Universe/Disney”, ficando mais leve. E é justamente a “pouca violência” do alienígena, para poder se adequar às classificações etárias mundo afora, o ponto fraco do filme, que poderia assumir um lado mais “Deadpool” e ser proibido para menores. Pautado na comédia, principalmente nos diálogos entre Venom e Brock, entrega o que promete e arranca risadas dos espectadores.

Após os dois (!) pós-créditos, o fã da Marvel sai do cinema com vontade de ver mais do  Venom de Tom Hardy e, se possível, dividindo a tela com outros personagens do MCU.

“Venom” estreia na quinta-feira, 4 de outubro, nos cinemas do Brasil.

Sinopse de “Venom”

Eddie Brock (Tom Hardy) é um jornalista que investiga o misterioso trabalho de um cientista, suspeito de utilizar cobaias humanas em experimentos mortais. Quando ele acaba entrando em contato com um simbionte alienígena, Eddie se torna Venom, uma máquina de matar incontrolável, que nem ele pode conter.

Trailer de “Venom”